DOENÇAS CRÔNICAS E OS DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE EM COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO PARÁ, AMAZÔNIA, BRASIL

Main Article Content

Maíra Fernanda Tavares de Melo Hilton Pereira Silva

Resumo

Os remanescentes de quilombos estão entre os grupos mais socialmente vulnerabilizados do Brasil. No que diz respeito à saúde, sua situação também se apresenta precária em todas as regiões do país. Na Amazônia, ainda são poucas as investigações sobre a saúde dos quilombolas. O objetivo deste estudo foi identificar a prevalência das principais doenças crônicas que acometem um grupo de populações quilombolas conhecidas como "Mola", localizadas no nordeste paraense, relacionando-as com os Determinantes Sociais de Saúde (DSS). Observou-se que há elevado índice de doenças crônicas entre essas populações negras rurais em comparação com o restante da população brasileira. 87,08% dos adultos apresenta problemas crônicos relacionados ao sistema digestivo, 50,9% apresentaram doenças de pele, 48,08% apresentaram algum nível de pré-hipertensão ou hipertensão arterial e 43,63% tem afecções oftalmológicas. Foram analisados também aspectos relacionados a comorbidades como tabagismo, etilismo, obesidade e aspectos socio-ecológicos que apontam para a existência de forte relação entre a prevalência das doenças crônicas e os DSS.

Article Details

Como Citar
MELO, Maíra Fernanda Tavares de; SILVA, Hilton Pereira. DOENÇAS CRÔNICAS E OS DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE EM COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO PARÁ, AMAZÔNIA, BRASIL. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), [S.l.], v. 7, n. 16, p. 168-189, jun. 2015. ISSN 2177-2770. Disponível em: <http://www.abpnrevista.org.br/revista/index.php/revistaabpn1/article/view/103>. Acesso em: 19 fev. 2020.
Seção
Dossiê Temático