BRANQUITUDE E PODER: REVISITANDO O “MEDO BRANCO” NO SÉCULO XXI

Main Article Content

Lia Vainer Schucman

Resumo

Este artigo tem como propósito compreender e apresentar as formas pelas quais os sujeitos considerados brancos agem cotidianamente para que possibilite a manutenção dos privilégios materiais e simbólicos dos brancos em relação a outros grupos racializados em nossa sociedade.  E a partir daí, investigar quais as formas de poder que a branquitude exerce sobre as outras identidades raciais. Para esta compreensão utilizo a análise de falas de brancos paulistanos de diferentes classes sociais sob o enfoque de compreender como o poder branco é posto em ação no cotidiano dos sujeitos. Os resultados da pesquisa apontam que os sujeitos brancos sabem que são privilegiados em relação aos não brancos, porém não se responsabilizam por este fato. Neste sentido, a ambiguidade e fragmentação dos discursos dos sujeitos me pareceram algo muito relevante para a compreensão de como se mantém o racismo na sociedade brasileira.  A ambiguidade aparece como artifício fundamental para que os sujeitos mantenham os privilégios, eximindo-se da responsabilidade moral.

Article Details

Como Citar
SCHUCMAN, Lia Vainer. BRANQUITUDE E PODER: REVISITANDO O “MEDO BRANCO” NO SÉCULO XXI. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), [S.l.], v. 6, n. 13, p. 134-147, jun. 2014. ISSN 2177-2770. Disponível em: <http://www.abpnrevista.org.br/revista/index.php/revistaabpn1/article/view/155>. Acesso em: 19 maio 2019.
Seção
Dossiê Temático