EDUCAÇÃO QUÍMICA E DIREITOS HUMANOS: O ÁTOMO E O GENOCÍDIO DO POVO NEGRO, AMBOS INVISÍVEIS?

Main Article Content

Elbert Reis Borges Bárbara Carine Soares Pinheiro

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo relatar um processo de ensino dos conceitos referentes aos modelos atômicos a partir da Pedagogia Histórico-Crítica, pautando o debate da invisibilidade atômica por meio da prática social da invisibilidade do genocídio do povo negro na sociedade brasileira. Aqui a temática central parte da noção de invisibilidade. Ao discutirmos tal conceito em sala de aula, fazemo-lo tanto no âmbito social, aprofundando o debate na invisibilidade do genocídio do negro no Brasil, quanto no âmbito material, discutindo acerca da constituição da matéria e focando na questão dos modelos atômicos. Este trabalho se configura em um relato de experiência vivenciada no 1° ao do Ensino Médio de uma escola pública de Salvador – BA. Elaboramos uma sequência didática que foi desenvolvida em sala de aula e registrada por meio de filmagens e caderno de campo. Notamos que os estudantes vivenciam muitas dores no que tange à questão da mortandade da negritude no Brasil e que, apesar de os átomos serem invisíveis, eles têm certeza de que este ente químico é real, mesmo sem compreenderem bem os seus modelos científicos.

Article Details

Como Citar
BORGES, Elbert Reis; PINHEIRO, Bárbara Carine Soares. EDUCAÇÃO QUÍMICA E DIREITOS HUMANOS: O ÁTOMO E O GENOCÍDIO DO POVO NEGRO, AMBOS INVISÍVEIS?. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), [S.l.], v. 9, n. 22, p. 191-205, jun. 2017. ISSN 2177-2770. Disponível em: <http://www.abpnrevista.org.br/revista/index.php/revistaabpn1/article/view/404>. Acesso em: 22 fev. 2020.
Seção
Dossiê Temático