ESTRATÉGIAS DE CONSERVAR O PODER: A CONSTRUÇÃO MIDIÁTICA DO TERMO APROPRIAÇÃO CULTURAL E O CASO DO USO TURBANTE

  • Ana Carolina Costa dos Anjos Universidade Federal do Tocantins
  • Karina Custodio Sousa Universidade Federal do Tocantins

Resumo

O artigo verifica as estratégias de conservar o poder nas relações de identidades raciais no Brasil a partir da análise da abordagem midiática do conceito de apropriação cultural. Leva-se em conta as vozes presentes nas matérias que ancoraram o caso do ‘uso do turbante’, por Thauane Cordeiro, hipermidiatizado a partir da publicação em seu perfil do Facebook, em fevereiro desse ano. Para tanto, retoma o processo de construção da identidade nacional, a apropriação oficial e o esvaziamento simbólico de elementos da cultura negra na construção da brasilidade. Também resgata o movimento da construção da identidade negra pela elite branca, seguida do processo reivindicatório que a população negra promove para construir e legitimar sua identidade sociocultural no Brasil do século XXI. Por fim, busca promover uma reflexão sob a perspectiva das teorias do jornalismo com intenção de apontar como o discurso midiático constrói uma realidade social, na qual a(o) negra(o), quando incluso, é hierarquicamente inferiorizado.

Publicado
Nov 3, 2017
Como Citar
ANJOS, Ana Carolina Costa dos; SOUSA, Karina Custodio. ESTRATÉGIAS DE CONSERVAR O PODER: A CONSTRUÇÃO MIDIÁTICA DO TERMO APROPRIAÇÃO CULTURAL E O CASO DO USO TURBANTE. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), [S.l.], v. 9, n. 23, p. 249-266, nov. 2017. ISSN 2177-2770. Disponível em: <http://www.abpnrevista.org.br/revista/index.php/revistaabpn1/article/view/416>. Acesso em: 13 dez. 2017.