“O FILME SERÁ UM ELEMENTO ORIGINAL DA ARTE NEGRA”: SOBRE OS FINAIS METAFÓRICOS DOS FILMES AFRICANOS DE FLORA GOMES

Main Article Content

Jusciele C A de Oliveira

Resumo

No Brasil e em Portugal, ainda há poucos estudos críticos e analíticos sobre culturas
africanas, especialmente acerca do cinema de países de língua portuguesa e intelectuais e
cineastas africanos e africanas, principalmente quando se aborda a Guiné-Bissau, apesar de este
país ter relações próximas com Portugal desde o século XV, momento histórico das navegações
europeias e do período colonial; e com o Brasil desde o século XVII, época de intenso tráfico de
africanos escravizados. Neste sentido, espera-se contribuir com o alargar de conhecimentos em
torno da Guiné-Bissau, nomeadamente por meio da abordagem de obras de ficção cineastas
como Flora Gomes: Mortu nega (1988), Udju azul di Yonta (1992), Po di sangui (1996), Nha
fala (2002) e Republica di mininus (2012), que em seus filmes apresenta reflexões sobre a
sociedade, a história, as memórias e as tradições bissau-guineenses de maneira em nada
estereotipada, especialmente, ao que concerne ao início e ao final dos filmes de ficção de
Gomes

Article Details

Como Citar
OLIVEIRA, Jusciele C A de. “O FILME SERÁ UM ELEMENTO ORIGINAL DA ARTE NEGRA”: SOBRE OS FINAIS METAFÓRICOS DOS FILMES AFRICANOS DE FLORA GOMES. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), [S.l.], v. 11, n. 27, p. 11-37, fev. 2019. ISSN 2177-2770. Disponível em: <http://www.abpnrevista.org.br/revista/index.php/revistaabpn1/article/view/662>. Acesso em: 19 maio 2019.
Seção
Dossiê Temático