O ESTATUTO ONTOLÓGICO E EPISTEMOLÓGICO AFRICANO EM TOWA E OBENGA

Main Article Content

Luís Thiago Freire Dantas Roberto Jardim da Silva

Resumo

Escuta-se repetidamente na academia e nas escolas proposições do tipo: A filosofia teve sua origem na Grécia, ou ainda, a África forneceu muitos escravos para o continente americano e para outras partes do mundo. Tais proposições contribuem para a essencialização do lugar que a Europa e a África tradicionalmente ocuparam na academia. Desse modo, o objetivo deste trabalho é evidenciar e problematizar os mecanismos usados na construção da noção de esterilidade ontológica e epistemológica da África, buscando mostrar que tal esterilidade foi forjada ao longo da história colonial da África pelo pensamento filosófico Europeu. Buscamos questionar o pensamento filosófico de Heidegger e Hegel, usados no processo dialético de construção e legitimação da identidade eurocêntrica, a partir da negação e deslegitimação da identidade africana, tendo como contraponto a perspectiva teórica de Marcien Towa e Théophile Obenga. Tais autores colocam em cheque a concepção de “milagre grego”, bem como a concepção de humanidade elaborada por Heidegger. Ambas as concepções excluem as pessoas negras e africanas e, por consequência as pessoas negras da diáspora, da condição de seres humano de produtores e produtoras de conhecimento. Towa e Obenga propõem um olhar para o Egito antigo como a referência filosófica na retomada do que chamamos de estatuto ontológico e epistemológico dos africanos.

Article Details

Como Citar
DANTAS, Luís Thiago Freire; DA SILVA, Roberto Jardim. O ESTATUTO ONTOLÓGICO E EPISTEMOLÓGICO AFRICANO EM TOWA E OBENGA. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), [S.l.], v. 8, n. 20, p. 39-56, out. 2016. ISSN 2177-2770. Disponível em: <http://www.abpnrevista.org.br/revista/index.php/revistaabpn1/article/view/7>. Acesso em: 09 abr. 2020.
Seção
Artigos