EM UM “LUGAR DO PRETO MAIS PRETO”, UM SAMBA DE PAREIA

Main Article Content

Evanilson Tavares França Jackeline Rodrigues Mendes

Resumo

Resumo: A Mussuca, uma Comunidade Remanescente de Quilombo, localizada no estado de Sergipe (Brasil), é conhecida como o “lugar do preto mais preto” ou de “africanos legítimos”, conforme revelam as pesquisas de Lima (2006). Nela, encontra-se uma prática cultural tradicional de matriz africana, o Samba de Pareia, na qual mulheres, cujas idades, hoje, circulam entre 44 e 72 anos, no décimo-quinto dia do nascimento de crianças, naquela comunidade, ou durante os festejos do ciclo junino, “brincam” sobre tamancos de madeira ao som de instrumentos percussivos responsáveis por embalar canções que contam, também, a história do quilombo e explicam a própria prática. Tendo isso em lume, objetivamos com o presente texto não apenas apresentar a Mussuca e o Samba de Pareia, é também nossa pretensão refletir sobre as possibilidades advindas desses espaços/tempos para a decolonialidade do pensamento.

Article Details

Como Citar
FRANÇA, Evanilson Tavares; MENDES, Jackeline Rodrigues. EM UM “LUGAR DO PRETO MAIS PRETO”, UM SAMBA DE PAREIA. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), [S.l.], v. 11, n. Ed. Especi, p. 87-111, out. 2019. ISSN 2177-2770. Disponível em: <http://www.abpnrevista.org.br/revista/index.php/revistaabpn1/article/view/704>. Acesso em: 14 nov. 2019.
Seção
Caderno Temático