O LUGAR DA RAÇA NA SALA DE AULA DE INGLÊS

Main Article Content

Glenda Cristina Valim de Melo

Resumo

Quando pensamos no ensino da língua estrangeira tradicional, observamos nas práticas sociais uma preocupação com o código. Nos cursos livres, os focos estão nas chamadas quatro habilidades e gramática e/ou vice-versa; nas escolas públicas e particulares isso depende das prescrições que se iniciam no Ministério da Educação. Nos cursos de Letras, alunos/as estariam sendo formados/as para ensinar o espanhol, o inglês, o português e as literaturas. São vistos métodos, gêneros textuais, teorias de aprendizagem, concepções de linguagem, material didático, TICs etc. Contudo, quando deixamos os espaços de formação e passamos as nossas tarefas em salas de aula distintas e complexas, deparamo-nos com alunas/os e corpos sexualizados, racializados, generizados etc; e mesmo assim, há uma construção de que em sala de aula de línguas não há lugar para a raça, o gênero, a sexualidade etc. Partindo da proposta de Butler (1997) – que se embasa nas concepções de atos de fala performativos de Austin (1962/1990) e Derrida (1972/1988), de que fazemos coisas com a linguagem – compreendemos que as salas de aula de línguas são também lugares de se questionar e contestar questões relacionadas à raça. Assim, neste artigo, pretendemos refletir sobre o lugar da raça nas salas de aula de inglês.

Article Details

Como Citar
MELO, Glenda Cristina Valim de. O LUGAR DA RAÇA NA SALA DE AULA DE INGLÊS. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), [S.l.], v. 7, n. 17, p. 65-81, out. 2015. ISSN 2177-2770. Disponível em: <http://www.abpnrevista.org.br/revista/index.php/revistaabpn1/article/view/72>. Acesso em: 19 fev. 2020.
Seção
Dossiê Temático