UMA PRETA MESTRA, UM ALTAR E SEUS ÍDOLOS: O COMÉRCIO COM A COSTA DA MINA E A RELIGIOSIDADE DA ANTIGA COSTAS DOS ESCRAVOS EM PERNAMBUCO, SÉCULO XVIII O comércio com a Costa da Mina e a Religiosidade da Antiga Costas Dos Escravos em Pernambuco, Século XVIII

Main Article Content

Filipe Matheus Marinho de Melo

Resumo

Este artigo discute um caso ocorrido em Pernambuco na segunda metade do século XVIII, onde africanos com procedência da África Ocidental se organizavam em roças nos arredores do Recife para dançar e festejar. A análise do caso relatado pelas autoridades coloniais, deixa entrever que as roças continham elementos da religiosidade da Antiga Costa dos Escravos e no episódio em questão o culto aos voduns eram encabeçados por uma mulher, identificada como preta mestra. O evento analisado permite entrever elementos de resistência e repressão que eram enfrentados pelos africanos, escravizados e libertos, como também inseridos em quadro simbólico maior que ligava as pontas do Atlântico através dos fluxos e refluxos que o comércio negreiro demandava.

Article Details

Como Citar
MARINHO DE MELO, Filipe Matheus. UMA PRETA MESTRA, UM ALTAR E SEUS ÍDOLOS: O COMÉRCIO COM A COSTA DA MINA E A RELIGIOSIDADE DA ANTIGA COSTAS DOS ESCRAVOS EM PERNAMBUCO, SÉCULO XVIII. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), [S.l.], v. 12, n. Ed. Especi, p. 89-112, ago. 2020. ISSN 2177-2770. Disponível em: <https://www.abpnrevista.org.br/index.php/site/article/view/948>. Acesso em: 27 out. 2021.
Seção
Caderno Temático