A AUTOBIOGRAFIA DE MANZANO E A CONSTRUÇÃO DO IMAGINÁRIO ABOLICIONISTA NO SÉCULO XIX

Main Article Content

Ana Luiza Neves de Oliveira

Resumo

A autobiografia de Juan Francisco Manzano, escrita em 1835, nos proporciona a oportunidade de perceber, mesmo com seus silêncios, a dureza da escravização durante o período de potencialização da produção de açúcar, café e algodão. A perspectiva analítica adotada é o conceito de segunda escravidão desenvolvido por Dale Tomich, que destaca as alterações sociais, culturais e econômicas nos sistemas escravistas na América durante o processo de industrialização britânica. A produção de relatos de escravizados/as é uma tradição recorrente no abolicionismo norte-americano, porém na América Latina esses relatos são raros, sendo a autobiografia de Manzano a única conhecida do gênero. Seu relato foi amplamente divulgado na Europa e apresentado na primeira World Antislavery Convention. A voz e coragem de Manzano abriram caminhos para a luta do/a negro/a pela emancipação de seu povo.


 

Article Details

Como Citar
OLIVEIRA, Ana Luiza Neves de. A AUTOBIOGRAFIA DE MANZANO E A CONSTRUÇÃO DO IMAGINÁRIO ABOLICIONISTA NO SÉCULO XIX. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), [S.l.], v. 12, n. Ed. Especi, p. 451-478, ago. 2020. ISSN 2177-2770. Disponível em: <https://www.abpnrevista.org.br/index.php/site/article/view/984>. Acesso em: 26 out. 2021.
Seção
Caderno Temático